Bem Estar Consumo consciente

E quando a gente enjoa de tudo que tem no armário?

Escrevo diretamente da mesa da minha cozinha, com um olho no computador e outro no bebê, que no momento faz estripulias para escalar um móvel da sala… Certamente vou ter que parar 30 vezes para ver o que ele está fazendo e voltar ao meu raciocínio outras 30 vezes. Quem disse que seria fácil né?

O texto de hoje é mais um desabafo. Porque tem dias que mesmo depois de todo exercício de encontro com o estilo pessoal, depois de organizar o guarda-roupa com tudo aquilo que preciso, bate uma vontade de ousar um pouquinho. Faz dias que ando sentindo falta de me sentir linda sabe? Não confortável. Me sentir incrível numa roupa. Ou melhor, me sentir incrível e só. E vou contar pra vocês, grávida do segundo, com um bebê de quase um ano, isso não tem sido fácil.

Olho no espelho e não gosto do que vejo. Vejo um rosto que mesmo com maquiagem não me agrada. Um corpo que não é meu. Cabelos rebeldes que não se ajeitam mesmo depois de escova e chapinha. Não gosto de ser negativa e sei que tudo isso vai passar, mas não consigo não ser verdadeira. E é isso que estou sentindo no momento.

E analisando agora, vejo que devo estar sentindo isso sobre o meu guarda-roupa – essa vontade de ousar e de comprar roupas novas – porque não estou bem comigo mesma.

A gente acaba buscando fora aquilo que está faltando aqui, dentro da gente.

E até não nos sentirmos bem de novo, nada vai adiantar comprar roupas novas, porque o motivo da insatisfação está muito além de um pedaço de pano com um tecido lindo e um corte fabuloso.

Sei que tudo isso vai passar, é só uma fase. Que essa inquietude não ofusque os momentos simples, mas preciosos, perto do meu filho. Que aliás, não está nem aí se meu cabelo está frisado, rebelde ou com uma escova impecável :)

3 Comentários

  • Reply
    Ethieli
    13 de maio de 2017 at 10:09

    Faz parte da gestação essa oscilação de sentimentos neh Nati, também me sentia assim. Mas o mais interessante é que depois que o Mathi nasceu optei pela simplicidade no vestir, abandonei a maquiagem, menos o rímel, e hoje me sinto muito mais feliz, assumi o cabelo rebelde pq não tenho mais tempo de arrumar, aprendi a me amar novamente. Essa metamorfose da maternidade faz nascer um bebê e uma nova mulher. Um abração!

  • Reply
    Ana Paula Paiva
    18 de maio de 2017 at 18:14

    Olá, Nati! Vai passar sim, você vai ver. Na vida há momentos mais difíceis mesmo, são eles que nos fortalecem. Pense que está no casulo e que ao final será uma linda borboleta. Fica com Deus e força…
    Beijos,
    Ana Paula

    • Reply
      Nati Grazziotin
      20 de maio de 2017 at 10:35

      Que lindo isso, Ana! Verdade. Tenho que pensar assim :)

    Deixe o seu comentário...