Minimalismo Organização

O minimalismo e a vida com um bebê

Esse é um post que me pedem para escrever há muito tempo. Acho que desde que o Valentin nasceu me perguntam como funciona isso de ser (ou tentar ser) minimalista e ter um bebê. Porque, sim, ter um bebê em casa, muda toda a nossa vida, e comigo não foi diferente.

Tudo começa pelo meu tempo, que não é mais meu. Ele é medido de acordo com as necessidades do meu filho. Agora mesmo, enquanto eu escrevo esse texto, tive que parar porque ele veio me pedir colo. Queria o colinho da “mãma” pra dormir. <3

Lembro bem de quando ele tinha uns 2 meses e eu tinha tudo planejado para ir num evento de moda aqui da minha cidade. Daria mamá e o deixaria na minha mãe. Tudo certo e organizado. Eu só não contava que ele começasse a chorar sem motivos aparentes. Fiquei angustiada e foi impossível sair de casa. Desisti de ir no tal evento e fiquei com ele.

Se antes a gente se colocava em primeiro lugar, com um filho a gente vê as coisas por outra perspectiva. Tudo tem um peso menor comparado ao bem estar dele.

Por isso, hoje, 1 ano depois do nascimento do Valentin percebo que viver no caminho do minimalismo faz ainda mais sentido para a vida que quero viver e mostrar para ele.

Na prática, ter um bebê em casa tem me ajudado muito a minimizar as coisas. Principalmente agora que ele quer pegar tudo. Se por um lado a sala da estar tem brinquedos espalhados, por outro tem muito menos fios e aparelhos eletrônicos que ninguém sabia porque estavam ali.

Eu tinha muita implicância com o quantidade de coisas que tínhamos no rack onde fica a televisão. Hoje só temos o necessário. Antes era aparelho de bluray (pra que serve isso mesmo?), HD externo, e mais um monte de quinquilharias que não fazia ideia da função. O móvel parece que ficou até maior e muito mais fácil de limpar!

O banheiro é outro lugar que está bem mais clean. Tiramos dos móveis onde ele tem acesso tudo o que poderia ser perigoso pra ele, como remédios, potinhos de cremes, lâminas de depilar. Fizemos uma limpa bem grande e sinto que o ambiente está muito mais organizado assim.

Um conceito do minimalismo que aplico muito em casa, e agora ainda mais com um bebê, é o de que tudo tem que ter um lugar. Assim, não tem problema se bagunçar. Porque depois vamos lá e colocamos no lugar, sem muito estresse. Um exemplo são os brinquedos. Tenho uma caixa de brinquedos na sala e outra no quarto dele. Ele pode tirar da caixa tudo que quiser, levar pra onde quiser, mas quando temos um tempinho vamos lá e colocamos de volta na caixa. Ele ainda é novo para entender, mas quando tiver idade vamos ensinar a ele mesmo colocar lá de volta. Organizar as coisinhas dele.

Acredito que quem cresce em um ambiente organizado, mas sem neura, tem mais chances de ser um adulto organizado também.

Quero deixar claro que estou longe de ter uma casa minimalista, temos muito mais coisas do que realmente usamos e precisamos. Mas estou no caminho no sentido de querer sempre reduzir. Estou sempre me perguntando se aquele objeto vai fazer diferença em nossas vidas ou só vai servir para acumular mais sujeira e ocupar mais espaço.

Ter isso em mente faz muita diferença. Ainda mais agora que mais um bebê vem aí para habitar nossa vida – e nossa casa! Aproveitamos o final de semana e montamos o berço da Giulia em um espaço que tínhamos no nosso quarto, ainda não sabemos como vai ser a rotina com dois bebês, mas certamente o minimalismo só vai nos ajudar. Porque o que mais ela precisa é da mamãe, do papai e do mano em harmonia :)  É ou não é?

2 Comentários

  • Reply
    Camila
    20 de julho de 2017 at 19:14

    Oi Nati, adoro seu jeito de ver e simplificar a vida. Aqui em casa também, depois da chegada da Laura, lá se vão 1 ano de faxina diária, onde menos significa mais espaço e mais movimento para ela. Estamos tentando simplificar e deixar a vida mais minimalista, dia após dia. Obrigada por compartilhar suas experiências. Um abraço!

    • Reply
      Nati Grazziotin
      21 de julho de 2017 at 10:08

      Que bom que gostou, muito grata pelo seu comentário!
      Beijo!

    Deixe o seu comentário...